Entre em contato pelo 0800 591 9059 ou pelo whatsapp (48) 9 9614-7530

A síndrome da Bexiga Dolorosa tem cura?

síndrome da bexiga dolorosa tem cura

Você já ouviu falar em bexiga dolorosa? Talvez já tenha até ouvido alguma reclamação sobre seus sintomas, mas será que a síndrome da bexiga dolorosa tem cura?

Chegou a hora de descobrir!

FAÇA AGORA MESMO UMA AVALIAÇÃO DE SAÚDE GRATUITA

Mas, o que de fato é a síndrome da Bexiga Dolorosa?

Essa doença pode ser basicamente definida como a ruim sensação de estufamento, dor, desconforto, pressão causados pelo enchimento e saturação da bexiga.

Conhecida também por outros nomes como síndrome da dor pélvica ou cistite intersticial. Apesar de não ser considerada uma emergência médica é essencial que haja acompanhamento médico e os tratamentos adequados.

Isso porque, ignorar a doença pode ser bastante prejudicial, levando ao desencadear de outros distúrbios urinários, influenciando inclusive na saúde sexual do enfermo.

Leia também: Saúde do homem: por que eles se cuidam menos?

Sintomas

Antes de saber se a síndrome da bexiga dolorosa tem cura é imprescindível conhecer e estar atento aos seus sintomas.

Apesar de haver a possibilidade de um aparecimento assintomático, ou seja, sem manifestação de sintomas, a doença é principalmente identificada pela dor na bexiga.

Além disso, o aumento na frequência urinária, a dificuldade ou a urgência repentina em fazer xixi também devem ser observadas.

Portanto, é indispensável deixar um alerta: caso você tenha infecções urinárias regularmente, dores pélvicas constantes ou algum dos sintomas acima que oscilam ou se manifestam por mais de seis meses fique atento!

Em razão de diagnósticos errados milhares de pessoas no mundo são diagnosticadas de maneira imprecisa e acabam recebendo tratamentos inadequados para a síndrome da bexiga dolorosa.

Você pode se interessar: Incontinência urinária masculina: tipos, causas e tratamentos

Isso pode ser muito prejudicial para a sua saúde urinária, reprodutiva e sexual, além de causar um sofrimento desnecessário com dores e consumo de remédios que na realidade não trarão benefícios a você e sua enfermidade.

Como já mencionado, a dor é um dos principais sintomas da síndrome e, diferente do que se pensa, pode acometer diferentes áreas e órgãos.

Por exemplo, as dores podem se apresentar na barriga, na lombar, na uretra, nos testículos ou vagina, na bolsa escrotal ou no períneo e, inclusive, durante as relações sexuais e/ou durante a ejaculação.

Outra característica dessas dores é aumentar com a ingestão de determinados alimentos ou líquidos e podem ter alívio imediato ao urinar, por essa razão alguns pacientes chegam a ir ao banheiro mais de 60 vezes ao dia.

Tratamentos

Existe uma variedade de tratamentos para a síndrome da bexiga dolorosa.

Entretanto, a participação do paciente na observação e mudanças de seus hábitos é tão indispensável quanto o uso dos remédios corretos.

Nesse sentido, caso você suspeite de ser portador dessa patologia crônica, atente-se também aos “fatores desencadeantes”, que são:

  • estresse
  • consumo de bebidas alcoólicas e refrigerantes
  • tabagismo
  • relações sexuais (com manifestação de dores)
  • rotina alimentar (ingestão de alimentos com cafeína, pimenta, soja ou compostos cítricos)

Identificar o que “ataca” os desconfortos na bexiga é indispensável, para que você consiga obter algum controle sobre os picos de crises da síndrome.

Além disso, tratamentos paralelos têm oferecido ótimos retornos aos pacientes. Trata-se de exercícios de meditação, redução de estresse e relaxamento, os quais de alguma maneira controlam a aparição das dores.

Por outro lado, os tratamentos convencionais – necessariamente receitados pelo seu urologista – devem ser devidamente mantidos e acompanhados para a gradativa recuperação do paciente.

Os processos terapêuticos podem ser feitos através de medicamentos orais, intravesicais (aplicados diretamente dentro da bexiga) e, em casos específicos, por intervenção cirúrgica.

Nesse sentido, os métodos e medicamentos são montados dentro das necessidades específicas de cada paciente e devem seguir expressamente as orientações médicas.

Veja também: Você conhece os sintomas do câncer de bexiga?

A síndrome da Bexiga Dolorosa tem cura, ou não?

Chegou, enfim, o momento de responder se a síndrome da bexiga dolorosa tem cura.

O que se pode afirmar é que essa patologia é considerada do tipo crônica.

Isso significa que ela se desenvolve gradativamente e não pode ser curada em curto tempo, podendo se estender ao longo da vida do paciente.

Por outro lado, é possível atingir o controle da patologia, evitando que crises aconteçam e que outras doenças se desenvolvam a partir dela.

Além disso, o correto tratamento da síndrome da bexiga dolorosa garante a qualidade de vida do paciente; evitando todos os seus desconfortos, as constantes idas ao banheiro, o constrangimento e as dores durante as relações sexuais.

Caso haja mais dúvidas a respeito dessa e de outras doenças do trato urinário ou genital, procure o seu médico, peça uma avaliação de saúde.

Cuide regularmente da sua saúde e impeça que doenças interfiram nas suas relações interpessoais e te faça refém de dores e outras complicações.

Para ter acesso a diversos outros conteúdos como este visite o nosso blog e fique por dentro de tudo que você precisa saber sobre a saúde masculina.

FAÇA AGORA MESMO UMA AVALIAÇÃO DE SAÚDE GRATUITA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *